Motorista Poderá Ter Salário Descontado por Multas Cometidas

Motorista Poderá Ter Salário Descontado por Multas Cometidas

Motorista empregado pode ser descontado de multas tomadas durante o exercício de sua função?

Segundo o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS), sim.

Entenderam os desembargadores que “multas por infração das leis de trânsito constituem penalidade de responsabilidade pessoal do empregado condutor do veículo, não podendo ser imputadas à empregadora”.

O relator do caso, o desembargador George Acchutti, se manifestou no sentido de que:

“As multas por infração às leis de trânsito constituem penalidade, sendo responsabilidade pessoal e exclusiva do condutor do veículo, no caso, o autor, não podendo ser imputadas à reclamada. O desconto correspondente às multas aplicadas, ainda que as infrações tenham ocorrido quando o empregado estava a serviço do empregador, não viola a intangibilidade salarial”

Na ação ajuizada, o autor não trouxe nenhum elemento que demonstrasse que não era o responsável, deixando evidente que fora ele realmente quem as cometeu.

Portanto, à luz do que se depreende do art. 462, § 3° da CLT, é perfeitamente lícito o desconto de eventuais multas de responsabilidade do motorista empregado, vejamos.

Art. 462 da CLT – Ao empregador é vedado efetuar qualquer desconto nos salários do empregado, salvo quando este resultar de adiantamentos, de dispositivos de lei ou de contrato coletivo.

§ 1º – Em caso de dano causado pelo empregado, o desconto será lícito, desde de que esta possibilidade tenha sido acordada ou na ocorrência de dolo do empregado.

Entretanto, fica um alerta: o desconto só poderá ser realizado se previamente disposto em contrato de trabalho.

Portanto, não poderá ser realizado desconto algum do salário do trabalhador, se não houver disposição expressa, clara e específica neste sentido.

Do contrário, é possível ao trabalhador buscar judicialmente a reparação do dano sofrido pelos descontos indevidos.

Vale destacar, por fim, que se trata de decisão específica do TRT-RS, que pode não ser idêntica a de outros Tribunais Regionais do Trabalho.

Ficou alguma dúvida? Entre em contato conosco.

Fonte: Tainá Flores da Silva (Secom/TR4).

Deixe um comentário

WhatsApp chat